DISCIPLINAS

Saúde

Anemia

Sintomas muitas vezes passam despercebidos.

A  A  A     

03 de março de 2015

Os sintomas da anemia muitas vezes passam despercebidos, pois a fraqueza e o excesso de sono podem ser confundidos com o cansaço do trabalho e o estresse do dia a dia. Porém, essa vontade de não fazer nada pode ser um indicador da doença. Existem diversas causas para essa disfunção do organismo. O tratamento geralmente é simples, mas se o problema não for logo diagnosticado pode deixar o paciente em estado grave. A anemia é a diminuição dos glóbulos vermelhos e da quantidade de hemoglobina no sangue.

A hemoglobina é uma proteína que fica dentro dos glóbulos vermelhos e a sua função é oxigenar os tecidos do corpo. A presença do ferro na hemoglobina é necessária para realizar o transporte de oxigênio no sangue, por isso a falta de ferro é uma das causas mais freqüentes da doença. A carência desse mineral é um dos distúrbios nutricionais mais comuns em todo o mundo. Índices mostram que das crianças em idade escolar no mundo, 39% são anêmicas. O tipo de anemia mais comum é por deficiência de ferro, e em crianças pode prejudicar o desenvolvimento psicomotor e o aproveitamento escolar. A doença pode ser diagnosticada através do hemograma, um exame no qual são analisados os componentes do sangue através de uma aparelhagem adequada e por patologista clínico.

O médico Paulo Barbosa explica que a anemia é comum em crianças na faixa etária em que o crescimento é acelerado (de zero a dois anos e em adolescentes), gestantes, mulheres com perdas sanguíneas elevadas por ocasião da menstruação e em situações nas quais ocorre má absorção de ferro como, por exemplo, nos alcoólicos. “Mulheres grávidas anêmicas devem tomar muito cuidado. A anemia está associada a maiores riscos de morbidade e mortalidade maternal e fetal, além de retardar o crescimento intra-uterino”, alerta o médico.

A anemia pode ter inúmeras causas, cada uma provocando diferentes alterações nas células do sangue.



Os sintomas

Na fase inicial, o paciente sente fadiga, sensação de fraqueza e palidez. Também pode ser notada a perda de coloração das unhas, gengivas e do interior das pálpebras. Durante o exame clínico, os médicos devem verificar todos esses sinais. À medida que a doença se agrava, começam a aparecer outros sinais como a perda de peso e a diarréia, náuseas e falta de apetite, baixa resistência a infecções e olhos amarelados. Em casos ainda mais graves pode surgir febre, sudorese, urina mais escura e nas mulheres um sangramento menstrual mais intenso.

Nos casos de palidez repentina e clareamento das mucosas dos olhos e da boca, assim como unhas quebradiças, cabelos mais ralos e finos que o normal e dores de cabeça freqüentes, procure um médico para alguma orientação. Normalmente ele solicitará um hemograma completo para confirmar a doença e identificar qual é o tipo de anemia. Dessa maneira poderá prescrever um tratamento específico para o seu caso.

As causas

A anemia pode ter inúmeras causas, cada uma provocando diferentes alterações nas células do sangue: - Diminuição da produção de glóbulos vermelhos (caracteriza as anemias carenciais). - A falta de ferro. - A falta de vitamina B12 ou ácido fólico. A falta dessa vitamina pode ser devido a problemas digestivos, falhas do organismo na absorção da vitamina e devido a dietas pobres em carne, leite e ovos. - Aumento na destruição dos glóbulos vermelhos. - Depressão ou inibição da medula óssea causam anemias congênitas. Problemas na medula óssea devido a infecções virais, hepatite dos tipos A, B e C, ou pessoas que tenham sofrido exposição a radiações ou ambientes tóxicos podem apresentar tendência à anemia.

Tipos de Anemia

- Anemia aplástica – Quando a medula óssea não produz número adequado de elementos do sangue.
- Anemia ferropriva – É a forma mais comum da doença, é causada pela falta de ferro no organismo. Em geral, aparece nas mulheres devido à alimentação inadequada durante a gestação ou amamentação, em idosos, devido à dieta carente de ferro.
- Anemia por deficiência em ácido fólico – A complementação de ácido fólico, antes da gravidez e nos primeiros meses de gestação pode prevenir defeitos congênitos no feto. Existem as formas mais raras da doença. São elas:
- Anemia falciforme – É caracterizada pela incapacidade de os glóbulos vermelhos transportarem oxigênio para os tecidos do corpo. - Talassemia – É causada pelo acúmulo deficiente da hemoglobina com anormalidade das hemácias. Essa doença é hereditária.
- Anemia perniciosa – Doença causada pela incapacidade do organismo em absorver a vitamina B12.

Anemia na mulher

A mulher pode apresentar vários tipos de anemia, e além das causas já mencionadas a doença também pode ser causada pela perda excessiva de sangue durante a menstruação (esse tipo também é conhecido como menorragia ou hipermenorréia). No caso específico da mulher, além de um clínico, um ginecologista deve ser consultado para diagnosticar o distúrbio e orientar o tratamento.

Diagnóstico e Tratamento

Após o diagnóstico detectado por exames clínicos e laboratoriais, dependendo do tipo e do estágio da doença, o médico poderá prescrever suplementos de ácido fólico, ferro vitaminas B12 e C. Os exames de laboratório são: - Hemograma: verifica a quantidade de glóbulos vermelhos, brancos, plaquetas, nível de vitamina B12, ferro, ácido fólico, entre outras coisas.
- Eletrosferose da hemoglobina: checa as hemoglobinas anormais.
- Exame de urina: mede a excreção do ácido metilmalônico.
- Exame de Coombs: serve para detectar anemia hemolítica.
- Exame de fezes: verifica a presença de sangue. 

“Na anemia por deficiência de ferro o principal tratamento é a reposição através de medicamentos, alimentação adequada e, em casos mais graves que envolvem riscos de vida, a transfusão de sangue com componentes adequados”, diz o médico. As formas mais brandas da doença podem ser prevenidas com uma alimentação rica em ferro (folhas verdes, carne vermelha, bife de fígado, peixe, ostra), ácido fólico (feijão, germe de trigo e aveia) e vitamina B12 (carne magra, peixe, aves e derivados do leite). Recomenda-se a ingestão de alimentos com alta concentração de vitamina C que também ajudam na prevenção, como as frutas cítricas. Deve-se evitar não só as bebidas alcoólicas como o fumo, chás, refrigerantes e cervejas, pois esses alimentos interferem na absorção do ferro.

Para pessoas sem anemia, manter os níveis normais de ferro não é uma tarefa difícil. Os que incluem a carne vermelha na alimentação ingerem uma maior quantidade de ferro do que aqueles que adotam uma dieta vegetariana. O ferro se apresenta nas carnes em uma forma diferente da contida nos vegetais, por isso sua absorção é mais fácil.



compartilhe em: Twitter Facebook Windows Live del.icio.us Digg StumbleUpon Google

EDUCA

O seu portal de ensino online.

CONTATO

4002-3131

regiões metropolitanas

08002830649

demais regiões