Saúde

Bipolaridade

Quando desconfiar?

A  A  A     

15 de maio de 2015

Por Características e tratamento do Transtorno Bipolar

“Bipolaridade” se tornou um termo popular, utilizado para se referir às mudanças corriqueiras do humor do chefe, do companheiro(a), de colegas de trabalho... Mas quase sempre é usado com exagero.

O Transtorno Bipolar (TB), antigamente chamado de psicose maníaco-depressiva, é uma doença psiquiátrica em que ora ocorrem episódios de euforia (mania), ora de depressão, com períodos intercalados de normalidade. Um desses períodos pode ser o predominante, embora a alternância faça parte do ciclo. Os transtornos do humor têm frequência, gravidade e duração variáveis.

A doença está associada a algumas alterações funcionais do cérebro  e  também  a alterações na produção de serotonina - uma substância imprescindível para o funcionamento harmonioso do cérebro.

Além da predisposição genética, algumas situações contribuem para desencadear a crise: parto, nascimento do bebê (situações de oscilações hormonais), privação de sono,  eventos que demandam forte carga emocional, drogas ilícitas (cocaína, anfetaminas, crack) etc...

Características

Na fase da euforia, a pessoa se transforma.  Dorme menos, vive em um ritmo acelerado e assume comportamentos extravagantes, podendo se envolver até em situações perigosas por não levar em conta as consequências de seus atos. Suas atitudes destoam muito do padrão normal de seu comportamento. A pessoa fica alegre e eufórica, por exemplo, quando nada ao redor justifica tais sentimentos. Com a autocrítica comprometida, o indivíduo age como se estivesse (sem estar!) sob o efeito de álcool ou drogas. Tem idéias de grandeza que podem chegar ao delírio. O pensamento fica tão acelerado e desorganizado que se torna difícil acompanhar a linha de raciocínio de alguém na fase maníaca.

Em geral, as famílias percebem que alguma coisa mudou e a própria pessoa também pode notar a diferença. A liberação exagerada de energia e de humor é um sinal de alerta importante e, com frequência, leva à busca de ajuda e ao diagnóstico. Se o problema é mascarado ou se é negado, as consequências podem se tornar desastrosas.

O transtorno de humor bipolar pode se manifestar em qualquer idade. O diagnóstico é mais difícil em crianças pela inquietação e instabilidade naturais delas. Os indícios também muitas vezes são confundidos com os do Distúrbio de Déficit de Atenção (DDA), embora haja diferenças importantes que alertam para o diagnóstico correto, entre elas a instabilidade que repentinamente oscila entre a euforia e a depressão, a apatia e a hiperatividade, sem que nada justifique o estado de excitação e euforia da criança;  a falta de sono, a irritabilidade e antecedentes de depressão e bipolaridade na família. Diferentemente dos adultos, as crianças têm múltiplos episódios de depressão e excitação em um único dia. A alternância de humor nos adultos se dá em ciclos bem mais longos. 

Na adolescência, o quadro clínico costuma surgir a partir dos 15 anos e o pico de incidência ocorre entre os 18 e 25. Nesse período, fatores ambientais, constitucionais e genéticos interagem favorecendo a irrupção do transtorno bipolar. Em geral, os jovens estão sob maior estresse, mais inseguros e indefinidos, e bombardeados pelos hormônios. 

O diagnóstico e tratamento precoces, além de trazerem um grande bem-estar à criança e ao jovem, podem ajudá-los a evitar riscos importantes durante o seu desenvolvimento e transição para a vida adulta.



Tratamento

A identificação da patologia ainda é essencialmente clínica. O tratamento costuma ser eficaz, embora não haja cura e sim controle da doença, permitindo que o paciente leve uma vida normal.
 
O tratamento envolve medicamentos estabilizadores de humor, retirada de uso de certas substâncias (cafeína, cocaína, anfetaminas) que agravam o quadro e intervenções psicoeducacionais (psicoterapia individual, terapia familiar, informações ao paciente e a seus familiares sobre o assunto, participação em grupos de autoajuda).  A participação e apoio da família no tratamento é fundamental.  
 
A ABRATA - Associação Brasileira de Transtornos Afetivos, entidade sem fins lucrativos,  reúne familiares, amigos e portadores de transtornos do humor, tanto de depressão quanto bipolar, oferecendo apoio e informação sobre a natureza e o tratamento adequado da doença. 



compartilhe em: Twitter Facebook Windows Live del.icio.us Digg StumbleUpon Google

EDUCA

O seu portal de ensino online.

CONTATO

4002-3131

regiões metropolitanas

08002830649

demais regiões