Papo Sério

Afinal, o que é ser responsável?

A  A  A     

08 de janeiro de 2008

Uma conquista diária

Responsabilidade é uma palavra que muda de significado à medida que crescemos. É engraçado isso, né? Quando se é pequeno, os pais fazem tudo pra gente e achamos que responsabilidade é coisa de gente grande: eles é que se preocupam com a nossa alimentação, em nos levar pra escola, em ver se escovamos os dentes, se comemos salada... À medida que crescemos, os adultos começam a esperar que a gente faça o que antes eles faziam por nós.

Então, quando, efetivamente,  começamos a ser responsáveis? Aos 12, 15 ou só com 18 anos? Eu tenho descoberto que o compromisso com as nossas coisas e com as tarefas da casa começa desde cedo, e é construído aos poucos. Não existe o dia em que a gente se levanta e começa a ser responsável.

Se a criancinha de dois anos tiver que retornar para a cesta todos os brinquedos que ela tirou de lá, irá aprender que aquilo é responsabilidade dela. Se com 5 anos, o dever de casa for cobrado pela escola, olhado pela mãe, mas feito todinho pela criança, ela aprenderá que dever de casa é responsabilidade dela, sempre dela.

Isso até me lembra o caso do meu melhor amigo de 20 e poucos anos. Sua mãe  deixou por sua conta a tarefa de resolver os problemas do carro da família, já que ele é quem mais usa o veículo. Sua mãe continua pagando seguro, gasolina, consertos, e etc. No entanto, a responsabilidade de providenciar os consertos, a manutenção e tudo mais é dele. Ele levou o carro pro mecânico, pagou o conserto com um cheque da mãe e esqueceu de avisar que o cheque entraria antes da data combinada com ela!

O cheque voltou. Quase que ela fica com o nome sujo na praça. Por conta de um descuidozinho bobo, uma irresponsabilidade, ele colocou muita coisa a perder. Ele foi responsável na medida em que providenciou o conserto do carro (interesse dele), mas foi descuidado com a conta bancária da mãe. Depois de algumas discussões, ele ficou mais esperto com estas coisas e a mãe mais rígida com suas cobranças.

Mas, voltando ao tempo de criança, me lembro que meu pai sempre dizia que "dinheiro não aceita desaforo". E eu sempre lembrava dessa frase quando gastava minha pequena mesada em uma bobagem e depois faltava dinheiro pra comprar algo um pouquinho maior. A vantagem é que, quando somos menores, nossos pais têm uma fórmula mágica de nos fazer pequenos agrados sem a gente ficar mimado. Quando estamos maiores, isso fica mais difícil...!

Eu ainda acho complicado cuidar de tanta coisa: casa, cachorro, carro, trabalho, faculdade, namorado(a), família, mas tenho descoberto que pequenos detalhes, como manter uma gaveta sempre em ordem, colocar minha mochila no mesmo lugar todo dia, ou guardar sempre o CD dentro da própria caixa me ajudam a ter mais responsabilidade, a saber cuidar das minhas coisas, e a não ficar gritando pela minha mãe para saber onde elas estão!

Se alguém me perguntar “se existe um jeito de sempre ser responsável, vou achar  difícil de responder. Entregar o dever de casa em dia, estudar pras provas, alimentar o cachorro... são pequenos atos de responsabilidade, que vão ganhando volume na nossa vida diária.

Mas também pode ser muito mais que isso. Cada um de nós é responsável à sua maneira. Se eu criasse uma regrinha básica, diria que ser responsável é fazer as coisas bem feitas, sem comprometer os outros. Acho que assim, a gente consegue ficar com a consciência tranqüila...

 



compartilhe em: Twitter Facebook Windows Live del.icio.us Digg StumbleUpon Google
O seu portal de ensino online.
Assine agora!
4002-3131
regiões metropolitanas
0800 283 0649
demais regiões
Fale Conosco Fechar