Acontece

Últimos acontecimentos mundiais comentados e contextualizados. 2 vezes por semana no ar!

Ebola

Países da África sofrem com o surto da doença.

A  A  A     

01/08/2014 04:57

Ebola é uma doença infecciosa grave e pouco conhecida no Brasil. Nos últimos dias, a doença vem ganhando espaço nos noticiários nacionais e internacionais por causa do grande número de registros de pessoas infectadas em alguns países africanos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa são os países que apresentam o maior número de registros. Desde o último dia 27 de julho, 729 pessoas já haviam morrido e mais de 1,3 casos confirmados.



Os números que afirmam este surto de ebola preocupam a comunidade médica internacional, uma vez que em apenas quatro dias – 24 e 27 de julho – 57 pessoas diagnosticadas com a doença morreram nesses países da África. Afirma-se que esta é a maior epidemia desde que o ebola foi caracterizado em 1976.

O vírus

O vírus ebola é um filovírus, sem classificação e de formato filamentoso. A sua infecção causa a Febre Hemorrágica Ebola (FHE) e de acordo com os especialistas, a doença é extremamente perigosa e possui alto índice de mortalidade, chegando a 90%.

A primeira vez que o vírus foi identificado, há quase quatro décadas, foi nas proximidades do Rio Ebola na República Democrática do Kongo e, por causa desta questão territorial recebeu este nome.

Transmissão e diagnóstico

A transmissão da doença ocorre através do contato direto com o sangue ou fluidos de pessoas já infectadas. Os sintomas se concentram na multiplicação do vírus nas células do fígado e pulmão, por exemplo, provocando intensa hemorragia. Febre alta, diarreia, dor de cabeça e muscular, vômito, conjuntivite, fraqueza e erupções na pele são algumas das manifestações. O desenvolvimento do ebola no organismo da pessoa é tão devastador que sangramentos e  alterações de comportamento são percebidas.

Infelizmente, para tratar o ebola não há nenhum tipo de remédio, cirurgia ou vacina.



Para diagnosticar a doença, por meio de amostra sanguínea, é indispensável um meticuloso cuidado. Os profissionais da saúde que têm contato com os pacientes usam uma roupa de proteção para evitar o contágio. O médico virologista Sheik Umar Khan, o único especialista em febre hemorrágica viral na região de Serra Leoa, morreu, recentemente, com os sintomas da doença. O Ministério da Saúde de leonês enfatizou que está foi uma perda irreparável para o país.

Medidas para conter o surto

Para os casos recentes, a OMS divulgou um comunicado exigindo que as autoridades africanas adotem procedimentos drásticos para impedir que o surto avance até os países vizinhos. O presidente de Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, declarou situação de emergência pública, a Nigéria fechou e isolou um hospital e na Libéria as fronteiras foram bloqueadas, as reuniões públicas foram limitadas e os voos que iam para Serra Leoa suspensos.

O Ministro da Saúde brasileiro, Arthur Chioro, ressaltou que o Brasil está seguindo todas as recomendações da OMS e tranquilizou a população dizendo que “a situação nesses países se agrava pois são regiões em conflito, aonde os profissionais de saúde muitas vezes têm dificuldades para chegar. Mas, pelas características de transmissão da doença, não há risco de disseminação global."

Infelizmente, para tratar o ebola não há nenhum tipo de remédio, cirurgia ou vacina. A quarentena, distanciamento total das pessoas infectadas e o enterro ou cremação imediata dos mortos são os principais tratamentos.

As ações políticas e humanitárias já estão sendo desenvolvidas com o objetivo de ajudar  Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa. O Brasil enviará 14 kits com 48 tipos de produtos, sendo 30 remédios.

Esperança na cura

A sensação desta falta de controle da epidemia preocupa as autoridades políticas de diversos países. Mas, inúmeras ações já estão sendo desenvolvidas para diminuir a incidência do ebola nos países africanos. O que fica é a esperança de que um dia doenças cruéis como esta tenham um tratamento eficaz e sejam totalmente erradicadas.
 



O seu portal de ensino online.
Assine agora!
4002-3131
regiões metropolitanas
0800 283 0649
demais regiões
Fale Conosco Fechar